Ex-presidente

10º Presidente – João Ângelo da Fonseca

Share

presidente10.jpg

DÉCIMA LEGISLATURA
(Janeiro de 2001 – Dezembro de 2004)

Quatro anos depois de uma administração bem avaliada pela população, onde adotou o lema: “Reconstruir”, e apoiado por uma pesquisa elaborada pelo Instituto Brasmarket, endossada pela Revista ISTO É (Circulação Nacional), que lhe conferia 96,5% de Aprovação Administrativa, o Prefeito Poti Júnior é reeleito (primeiro da história), com 78% dos votos válidos, e compareceu a Sessão Solene da Câmara Municipal, na virada do ano, (meia noite), para tomar posse em seu segundo mandato, ao lado do seu Vice- Prefeito, o Ex-Vereador e Ex-Presidente da Câmara João Ângelo da Fonseca.

A chapa batida por Poti Júnior, era encabeçada pelo Vereador Raimundo Mendes, tendo como candidata a vice-prefeita, a ex-primeira dama Miriam Ferreira Santiago.

Minutos antes Câmara Municipal realizava sessão eleitoral para eleição do seu novo presidente, sendo acordado, que o vereador Edson Coelho da Silva, seria eleito para o seu terceiro mandato consecutivo, desde que fosse alterado o Regimento Interno, vedando eleições consecutivas para Presidente na mesmo legislatura.

FIM DA ERA EDSON COELHO DA SILVA – MANINHO
(Justiça interrompe 4º. Mandato)

A quarta reeleição do Presidente Edson Coelho da Silva, foi bastante tumultuada, com a maioria dos vereadores apoiando a sua reeleição, ele promoveu outra alteração no Regimento Interno, permitindo sua quarta recondução à Presidência.

A oposição a Edson Coelho foi comandada pelo vereador Jessé Tavares de Morais, que mesmo sabendo que não venceria o pleito, lançou-se candidato de protesto, (contra a quebra do acordo) sendo derrotado por 8×6.

Edson Coelho, vence, mais não consegue unir o Poder Legislativo, faixas foram espalhadas na cidade, durante a madrugada, protestando contra sua quarta reeleição.

Seus adversário passaram a chamá-lo de “O Papa”, numa alusão ao chefe da Igreja Católica, que só tem seu mandato expirado pela morte.

Edson Coelho defendia-se alegando que apenas estava fazendo a vontade da maioria.

Orientado por seus advogados o Vereador Jessé Tavares de Morais, bate as postas da Justiça, alegando que a alteração no Regimento Interno, não foi publicado no Diário Oficial, (não houve publicidade a lei, por tanto inválida), pedindo então que todos os votos obtidos por Edson Coelho da Silva, fossem declarados nulos,e ele empossado como Presidente, por ter sido o segundo mais votado.

No dia 29 de julho de 2003, o juiz Paulo Sérgio de Lima (1a. Vara Cível), através do processo número 3506/02, interrompe o mandato do Presidente e determina a imediata posse do Vereador Jessé Tavares de Morais. Edson Coelho da Silva, comparece a sessão transmite o cargo, mais impetra uma liminar no Tribunal de Justiça, que lhe é negado.

Jessé preside a Câmara Municipal pela segunda vez, desta data até 31 de dezembro de 2003.

Três fatos ainda merecem destaque nesta Legislatura: A Sessão Solene realizada pelos 45º. Aniversário de Emancipação Política do Município, onde os vereadores da 1ª. e 2ª. legislatura e algumas autoridades foram homenageados com uma “Placa de Prata”.
A inauguração do TELECENTRO, em parceria com a FECAM – Federação das Câmara Municipais , em 11 de novembro de 2005, denominada Sala “Vereadora Maria do Carmo Brito” E a aprovação do Projeto de Lei no. 0012/01, de autoria do vereador Teófilo Justino de Oliveira, que transfere o Feriado Municipal de 11 de abril para 11 de dezembro (data de nossa emancipação política.

VEREADORES ELEITOS NA DÉCIMA LEGISLATURA

. Vereadora Alda Soares Vieira
. Vereador Cícero Paulino de Medeiros Júnior (Júnior do Peixe)
. Vereadora Cléa Maria Varela da Silva
. Vereador Clemilson Protásio de Lima
. Vereador Clóvis Barbosa de Oliveira
. Vereador Edson Arcanjo da Silva
. Vereador Edson Coelho da Silva
. Vereador Edson Ramos Bacurau
. Vereador Ivanildo Fernandes Campos
. Vereador Jessé Tavares de Morais
. Vereador Milton Siqueira
. Vereador Rafael Nagildo Cunha Moura
. Vereador Silvério Araújo Souza
. Vereador Teófilo Justino de Oliveira Neto

replyVoltar